Pense na China e na energia de hoje, e você provavelmente há de pensar em carvão. Mas, como o chefe da Agência Internacional de Energia disse recentemente, isso está mudando. Nos próximos anos, turbinas eólicas e as vastas estruturas com painéis solares poderiam se tornar as primeiras coisas que vêm à mente quando se fala da China.

No ano passado, pela primeira vez, as energias renováveis representaram mais de metade da nova geração de energia em todo o mundo, conforme relatado pelo The Guardian nesta reportagem . Espera-se que a China vá construir mais do dobro da capacidade mundial nos próximos cinco anos, impulsionada pela sede de mais capacidade de geração de energia elétrica, a ansiedade da população em diminuir a poluição do ar e da necessidade de cumprir com as promessas de mudanças climáticas.

O mundo está mudando, e a Europa já não é mais o grande motor do crescimento da energia verde que foi uma vez. “Nos próximos cinco anos, a República Popular da China e a Índia, por si só, vão ser responsáveis por quase metade das adições à capacidade global renováveis”, diz a AIE em um novo relatório.

Mas mesmo com todo esse crescimento, as energias renováveis estão previstas para fornecer apenas pouco mais de um quarto da eletricidade mundial até 2021. Ainda há um longo caminho a percorrer.

Para ler a matéria original no The Guardian, clique aqui