Dúvidas Frequentes

Esclareça aqui

As placas fotovoltaicas vão gerar corrente elétrica através da irradiação de luz do Sol.

Essa energia é gerada em corrente contínua e por isso ela passa pelo Inversor, que é o responsável por deixar essa energia com as características necessárias para funcionar na sua casa.

Após passar pelo inversor a energia gerada pelas placas vai ser injetada na rede elétrica da sua casa para que você possa utilizá-la normalmente. Caso não haja consumo de energia no momento da geração essa carga vai ser injetada na rede elétrica da sua concessionária, gerando créditos em kWh que será compensado no consumo durante a noite.

Quando a produção da energia em kWh/mês é maior que o consumo, o cliente acumula crédito de energia que pode ser usado em até 60 meses.

A energia solar já é mais barata que a energia que compramos da concessionária de energia, além de ser uma opção limpa e uma fonte renovável.

O Sol é o único recurso necessário para gerar a energia. Ele é abundante, gratuito e nunca vai te deixar na mão.

Com o aumento das tarifas de energia elétrica que ocorreram em 2015, a geração de energia solar ficou ainda mais atrativa do ponto de vista financeiro.

Historicamente,  o Brasil tem aumentos de energia anualmente e a tendência é que novos aumentos das tarifas aconteçam. Uma vez que você possui um sistema que gera a sua própria energia, você está imune aos aumentos tarifários.

Manutenção é uma das menores preocupações para quem instala um sistema de energia solar fotovoltaico.

Os equipamentos são muito resistentes e projetados para durar mais de 25 anos com pouca ou nenhuma intervenção técnica.

Basicamente a única necessidade recorrente é a limpeza das placas, que acumulam sujeira e detritos, o que pode levar à diminuição da eficiência de  performance do sistema.

Limpar as placas a cada 3 meses é uma boa sugestão para manter a produção de energia a todo vapor, e também podemos contar com a chuva, que faz este trabalho para nós.

A instalação de um sistema E-sol Brasil dura até 2 dias e praticamente não realizamos nenhuma obra.

O processo de instalação é rápido e sem maiores preocupações.
Nossa equipe segue os mais altos padrões de engenharia na instalação e todos possuem NR-10 e NR-35 (normas de segurança para trabalho em altura e eletricidade), além de contarmos com uma equipe de técnicos altamente capacitados.

Historicamente desde o ano de 1994, o preço da energia elétrica teve reajustes na casa dos 3% ao ano.

Devido algumas políticas públicas, o preço da energia sofreu um congelamento entre os anos de 2012 e 2013, o que resultou no aumento extraordinário no ano de 2015 que chegou a 60% em alguns estados.

A expectativa é que para os próximos anos, o preço da energia continue subindo em um ritmo de aproximadamente 5% ao ano pelos próximos 10 anos.

Claro! Além do valor investido no sistema fotovoltaico, estima-se uma valorização média de 8% no valor do imóvel. Imagina comprar ou alugar uma casa que já venha com energia incluída? Obviamente isso gera valor agregado ao imóvel.

Têm-se como referência o mercado dos Estados Unidos, que se encontra em um estágio mais avançado, e como fonte a SEIA (Solar Energy Industries Association).

Toda a energia gerada pelo sistema fotovoltaico que não for consumida, é automaticamente injetada na rede pública de eletricidade.

Com um medidor bidirecional, a quantidade de energia injetada é registrada e computada pela concessionária, que vai gerar créditos para a sua conta. Estes créditos vêm descritos na conta de luz e podem ser consumidos em até 60 meses.

É possível também utilizar esses créditos em outra unidade consumidora, desde que esta instalação esteja cadastrada na mesma concessionária de energia e com o mesmo CPF ou CNPJ.

Por exemplo, se você tem uma casa de campo e uma casa na cidade com uma Usina Fotovoltaica que produz mais energia que consome, é possível consumir os créditos gerados em sua casa na cidade, para abater a conta de energia da casa de campo, desde que ambas estejam sob a área de atuação da mesma concessionária de energia.

Não é possível zerar a conta de energia, mas dá pra fazer ela ficar bem baratinha com economia de até 97%.

De acordo com a regulamentação da ANEEL,  a concessionária de energia tem o direito de cobrar pelo custo de disponibilidade de rede, que vai variar de acordo com o tipo de instalação que você tiver na sua casa ou empresa. Essa cobrança já existe mesmo que você não tenha um sistema de geração de energia.

Ela funciona assim:

Mesmo com a instalação bem dimensionada e gerando créditos excedentes, o consumidor deverá arcar com o custo mensal em reais equivalente a 30 kWh/mês (monofásico), 50 kWh/mês (bifásico) ou 100 kWh/mês (trifásico) referente a disponibilidade do sistema elétrico, conforme determinado pela resolução 482/2012 da ANEEL.

Haverá, também o custo com a parcela da iluminação pública a qual vem destacado na fatura de energia elétrica.

Você não vai ficar independente da concessionária de energia, afinal o seu sistema está conectada à rede pública de energia.

Para se tornar independente da concessionária é necessário armazenar a energia em baterias, para os momentos que o sol não fornecer energia (dias muito nublados e durante a noite). Optar por um sistema com baterias vai tornar o sistema mais caro ao longo prazo.

Projetos isolados são economicamente viáveis apenas onde a rede de energia não chega, como em fazendas e comunidades isoladas. Se onde você está tem energia elétrica, ligar o seu sistema de energia solar na concessionária é a melhor opção.

Não. O sistema não produz ruído algum.

O processo de geração de energia solar além de não produzir ruído também não tem emissão de gases.

A instalação de um sistema de energia solar fotovoltaica não vai interferir sua rotina e o sistema funciona de maneira automática, sem nenhuma necessidade de operação no equipamento.

O processo de Homologação é a regularização do projeto de geração fotovoltaica junto à distribuidora de energia local.

As etapas do processo de homologação são as seguintes:

1ª Etapa – Envio do projeto de engenharia à concessionária, que vai analisar se está conforme a regulamentação.

2ª Etapa – Após a aprovação, a concessionária envia uma equipe técnica para avaliar as condições da instalação elétrica e emite um parecer de acesso à rede. Com essa liberação, a E-sol Brasil pode fazer a instalação do equipamento de energia solar.

3ª Etapa – Assim que o sistema for instalado, a equipe da concessionária faz uma nova vistoria técnica e autoriza a ligação do sistema e a troca do medidor de energia por um modelo bidirecional.

Todo esse trâmite é conduzido pela E-sol Brasil e o cliente não tem que se preocupar com nada, a não usufruir dos benefícios da energia gerada pelo Sol.

A durabilidade do sistema fotovoltaico é uma de suas principais vantagens.

Em média, o módulos fotovoltaicos tem garantia de 15 anos contra defeito de fabricação e 20 anos para eficiência de produção de energia – 80% da capacidade nominal – e os inversores tem garantia de 5 anos contra defeito de fabricação.

A E-sol Brasil trabalha apenas com as melhores marcas do mercado mundial e os sistemas fotovoltaicos são projetados para durar até 25 anos.

A E-sol Brasil oferece um aplicativo para celular e tablet que permite a você monitorar em tempo real a quantidade de energia que está sendo gerada pelo sistema fotovoltaico. Assim você consegue acompanhar como a energia está sendo produzida durante a vida útil do sistema.

Com este monitoramento é possível analisar a energia produzida através de diferentes parâmetros de tempo (anual, mensal, semanal) e assim garantir que o seu sistema está gerando energia de acordo com a sua contratação e garantindo os benefícios financeiros.

Os incentivos à energia solar ainda são muito tímidos no Brasil.

Algumas cidades oferecem brasileiras oferecem incentivos fiscais para micro e mini geradores fotovoltaicos como descontos no ITBI, ISS e até no IPTU.

Na esfera estadual cabe ressaltar que, dependendo da forma de incidência dos impostos, o consumidor terá ainda que pagar os tributos (ICMS e PIS/COFINS) incidentes sobre o total da energia absorvida da rede.

É importante destacar também a iniciativa dos estados de MG, GO, DF, SP, BA, CE, RN, PE, MA, TO ao assinarem o convênio do ICMS do CONFAZ que autoriza a conceder isenção nas operações internas relativas à circulação de energia elétrica, sujeitas a faturamento sob o Sistema de Compensação de Energia Elétrica de que trata a RN 482 de 2012.